Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 12 de junho de 2016

LANÇAMENTO - NISSAN SENTRA 2017

TEXTO: GUSTAVO DO CARMO | FOTOS: DIVULGAÇÃO


Na carona do lançamento do novo SUV compacto Kicks e sua promoção nos Jogos Olímpicos do Rio (se a mídia, fazendo tanta propaganda negativa da cidade, não conseguir convencer o COI a cancelar o evento), a Nissan trouxe também do México o face-lift do sedã médio Sentra.

Não se trata apenas de uma renovação visual de meio ciclo. A Nissan aproveitou para atualizar o sedã em equipamentos (como alertas de colisão, ponto cego e tráfego cruzado, além da nova tela TFT no quadro de instrumentos) e acabamento, melhorando o isolamento acústico no painel e dos vidros.


Visualmente, a grade foi uniformizada com o atual conceito estético da marca japonesa, como o V cromado e mais fechado, seguindo o exemplo do March, do Kicks, os crossovers Murano, Qashqai e X-Trail, além do sedã grande Maxima. 

Os faróis continuam triangulares, mas o recorte mudou da lateral para a ponta superior. Dentro deles foi colocado um friso prateado em forma de bumarangue que poluiu um pouco o visual. O tal friso em V deixou um vão na grade colmeiada, simulando uma tridimensionalidade. O para-choque ganhou uma abertura maior, aumentando também os faróis de neblina. Na traseira, mudaram apenas o para-choque e as lentes das lanternas, que mantiveram o desenho. A da luz de ré, por exemplo, ficou menor e as luzes de neblina ficaram maiores e mais fundas.


O interior continua com o mesmo desenho, mas mudou nos detalhes. Além da nova tela em TFT (que é pequena), a máscara do painel central e parte do acabamento das portas deixaram de ser totalmente prateados para ser em preto brilhante. O cromado continua emoldurando saídas de ar e maçanetas, inclusive as próprias. O volante agora tem três braços. O miolo ainda é triangular, mas o seu centro tem um baixo relevo de forma que lembra esportivos como o cupê 370Z. O espaço interno continua amplo, graças à distância entre-eixos de 2,70m, mas permanece sem a saída de ar para os passageiros de trás. A capacidade do porta-malas foi mantida em 503 litros.


Outra permanência negativa foi a do motor 2.0 16v Flex com os seus 140 cavalos, fraco para enfrentar a renovada concorrência, que tem no mínimo 150 cv. Em compensação, o câmbio automático continuamente variável (CVT) agora é de série desde a versão básica S.

E por falar nas versões de equipamento, que continuam quase as mesmas, esta mais simples custa R$ 79.990 e vem equipada, além do câmbio CVT, com controles eletrônicos de estabilidade e tração, chave com sensor de presença e botão de partida, retrovisor fotocromático, o novo rádio com display de 5 polegadas, e controle no volante, sensor de estacionamento traseiro e faróis com acendimento automático.





Por R$ 84.990, a intermediária SV adiciona rodas de liga-leve de 17 polegadas com novo desenho, ar condicionado digital dual zone, 2 porta-copos no descansa-braço traseiro, sistema Nissan Connect com navegador GPS e câmera de ré na tela de 6 polegadas e piloto automático.




A SL volta a ser a top de linha do Sentra, com o fim da série especial Unique. É ela que traz os já citados alertas de colisão frontal (apenas avisa, não freia), tráfego cruzado traseiro e ponto cego. A versão também tem airbags laterais e de cortina, banco do motorista com regulagem elétrica, sistema de som premium Bose, teto solar elétrico, entre outros. Custa R$ 95.990.


O preço, com certeza, será o maior atrativo da linha 2017 do Sentra. As versões top dos seus concorrentes custam mais de 100 mil reais, como o novo Chevrolet Cruze 1.4 Turbo LTZ2 (R$ 107.450), o Focus Fastback 2.0 Titanium Plus (R$ 104.590), o Volkswagen Jetta 2.0 TSI Highline (R$ 109.050) e Toyota Corolla 2.0 Altis. Só o Honda Civic EXR (R$ 94.100) é mais barato, mas ele vai ganhar uma nova geração em alguns meses e ficar tão caro quanto os demais.

Se conseguir tomar a liderança de vendas do Civic e do Corolla, o Nissan Sentra, além de herói das ruas, como diz o slogan publicitário, será o herói do mercado.


Pontos Fortes

+ Estilo
+ Acabamento
+ Espaço interno
+ Porta-malas
+ Consumo
+ Equipamentos
+ Preço

Pontos Fracos

- Motor
- Desempenho
- Assistência


FICHA TÉCNICA

Origem: México
Motor: Quatro cilindros, transversal. flex, 1.997 cm³, 16v 
Potência: 140 cavalos
Torque: 20 kgfm a 5.100 rpm
Câmbio: CVT (continuamente variável)
Tração: dianteira
Aceleração de 0 a 100 km/h: 12 segundos (revista Quatro Rodas, com gasolina)
Retomada de 80 a 120 km/h: 9,3 segundos (Quatro Rodas, com gasolina)
Velocidade máxima: 186 km/h (Nissan)
Consumo: 10,1 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada (Quatro Rodas, com gasolina) 
Frenagem 80-0 km/h: 28,4 metros (Quatro Rodas)
Nível de ruído a 80 km/h: 61 decibéis (Quatro Rodas)
Comprimento/largura/altura/entre-eixos: 4,63/1,76/1,51/2,70 m
Porta-malas: 503 litros
Tanque: 52 litros
Preço: R$ 79.990 (S) / R$ 84.990 (SV) / R$ 95.990 (SL)
Cores: Preto Premium (sólida) / Prata Classic e Cinza Grafite (metálicas) / Branco Diamond (perolizada)

Nenhum comentário: